Curiosidades

Como a Holanda zerou o número de cães de rua?

25 de setembro de 2016

Imagina que o nosso país finalmente conseguiu zerar a taxa de cachorros abandonados na rua. Parece um sonho, não? Mas na Holanda tornou-se realidade.

Atualmente, não há cães de rua nas terras holandesas, e melhor ainda, sem ter que sacrificar nenhum animal. Mas como eles conseguiram isso?


| Vamos começar com um pouco de história|

Em meados de 1800, quase todas as famílias holandesas possuíam cachorros, o que foi a causa da existência de muitos cães de rua.

Você deve estar se perguntando: “Como assim?”

dog-1486660_960_720

A resposta é simples: No início do século 19, haviam poucos acordos oficiais para a manutenção do cão dentro de casa. Geralmente, eles andavam livremente pelas ruas, se procriavam e, quando os proprietários enjoavam deles, os colocavam na rua. A partir daí, os cães de rua foram surgindo e aumentando de número.

Os coletores de cachorros desabrigados era uma profissão muito comum na época. Muitos municípios holandeses estabeleceram impostos para quem tinha cães, a fim de controlar seu número. Mas isso acabou piorando o quadro: as pessoas não tinham como pagar e acabavam abandonando os cães.

Aos poucos, a mentalidade dos holandeses foi mudando, e o bem-estar dos cachorros indicava o bem-estar de seu dono, ou seja, cães bem alimentados e tratados eram símbolo de riqueza.

A primeira agência de proteção aos animais foi criada em 1864 na capital de Haia. Além disso, os maus-tratos aos animais passou a ter penalização em 1886.

Vários inspetores foram enviados a fim de verificar o cumprimento da lei. Também, os donos dos animais passaram a ser informados sobre a importância de cuidar bem deles.

bank-note-209104_960_720

Em 1962, a Lei de Proteção de animais foi introduzida. No final do século 20, a lei da saúde e bem-estar dos animais foi aprovada. Ela afirma que é proibido para um proprietário abusar de um animal ou negar cuidado. A violação da lei é considerada uma ofensa criminal punível com uma pena máxima de prisão de até três anos e uma multa de € 16.750,00.

Atualmente, também o governo estabeleceu uma alta taxa de imposto para quem compra cachorros de raça. Isso incentiva muito a adoção gratuita!

Leia também: 10 razões para você adotar seu pet que mudarão sua vida!

| As relações entre homem-cachorro|

Com o decorrer dos anos, a relação entre homem e cachorro foi mudando. Confira as quatro fases desse relacionamento:dog-743232_960_720

* Senhor (homem) – escravo (cachorro)

* Empregador – empregado

* Pai – criança

* Amigo (homem) – amigo (cachorro)

Hoje, no século XXI, os holandeses passaram a olhar para seus cãezinhos como amigos ou filhos. E obviamente, isso influencia na taxa de abandono. Afinal, quem vira as costas para um amigo, parente, ou criança quando tudo se complica?

 –

| Fatores culturais da Holanda |

Certamente a cultura holandesa é um fator determinante para a redução dos animais de rua. O país é um dos poucos a ter um partido político parlamentar cuja finalidade é melhorar o bem-estar animal.

O fato de a Holanda ser um país pequeno (aproximadamente 16,4 milhões de habitantes) nos permite entender a necessidade da interação com outras culturas para sobreviver. Por isso, os holandeses são muito observadores e empáticos pelos outros. Essa empatia também se reflete nos pensamentos das pessoas com o bem dos animais. O sofrimento dos bichinhos acabou levando os homens a procurar soluções para o problema.

Hoje, há aproximadamente 1,5 milhão de cães na Holanda, e 90% dos proprietários possuem 1 cachorro em casa. Não existem leis para conter o número de animais permitidos em uma casa.

Na Holanda, apenas os animais muito doentes e aqueles com problemas comportamentais graves são sacrificados e a decisão final é feita pelo gerente do abrigo e veterinário. Nenhum animal é sacrificado devido à superpopulação.

| Fatores sociais Holandeses|

Outro fator qfamilyue contribuiu muito para o fim dos cães de rua foi a redução da taxa de natalidade. Cerca de 1800 famílias ainda eram muito grandes, e a necessidade de providenciar o pão de cada dia preocupava os pais e mães. Era tudo para os filhos e nada acabava sobrando para os cães. Com a redução da família, a partir da década de 60, os cachorros passaram a ser mais considerados como membros da família, tomando o lugar das crianças. Ao mesmo tempo que a taxa de natalidade humana reduziu, também a procriação canina foi desestimulada.

A castração é um dos métodos mais bem sucedidos comprovadamente para reduzir a população de animais de rua. Sendo assim, na Holanda, o número de cirurgias de esterilização de cães (e até de gatos) tem aumentado significativamente.

 

| Grupos envolvidos |

Ao longo dos anos vários grupos, fundações e coligações têm sido estabelecidas para defender os direitos e bem-estar dos animais. A Sociedade Holandesa de Proteção dos Animais (DB) é uma associação com mais de 160.000 membros. O escritório principal está em Haia com 65 funcionários. Ele é, de longe, a maior organização de bem-estar animal na Holanda. Ela se esforça para proteger os seguintes tipos de animais: animais de companhia, animais de fazenda, os animais que vivem no estado selvagem e animais em laboratórios.

Todos os grupos divulgam informações sobre a necessidade de cuidado e responsabilidade com os animais, além de darem abrigo, e protegerem os direitos deles. A cooperação e educação criou uma sociedade em que os animais de rua já não existem mais. Caso um cãozinho seja encontrado abandonado, um simples telefone consegue uma acomodação para ele. A mentalidade das pessoas mudou, e os animais passaram a ser considerados “serumaninhos” que sentem e sofrem.

 Uma dica importante para aprender com os holandeses: ensinar as crianças a interagir com responsabilidade e respeito para com os animais, afinal de contas, o que é aprendido no berço, é levado para o túmulo.

| Leis holandesas para defender os animais |

Na Holanda, as leis de cães e gatos consideram o valor individual do animal e não apenas o valor que ele mantém ao seu proprietário. Algumas partes destas leis são, por exemplo:

* É ilegal realizar procedimentos que mutilam um animal tal como cauda e orelha.

* Há também regras aplicadas estritas para pessoas que vendem animais, como abrigos, canis, criadores, comerciantes e pet shops. Há inspeções anuais nos estabelecimentos.

* Venda de animais na rua ou nos mercados é ilegal e qualquer um que vende animais dog-1574951_960_720deve ter uma licença para fazê-lo.

* Lugares que vendem animais devem abrigá-los de acordo com diretrizes rígidas e animais não estão autorizados a serem alojados sozinhos.

* Cães em lojas de animais devem ter acesso ao ar livre pelo menos duas horas por dia.

* Todos os animais vendidos devem ser microchipados e vacinados.

Devido a essas regras estritas apenas cerca de 10 lojas de animais na Holanda vendem cães e gatos. A maioria das pessoas adotam os seus pets de um abrigo ou compram de um criador.

| Recomendações dos Holandeses para todos os países com cães de rua |

Podemos aprender com a Holanda em vários aspectos e, assim, tomar algumas medidas que possibilitariam o fim dos animais de rua no nosso país:

1- Realizar programas como o CNVR (Collect Neuter Vaccinate and Return), que significa, ao pé da letra, que os cães de rua devem ser coletados, castrados, vacinados e registrados, e posteriormente devolvidos para o local onde foram encontrados.

OBSERVAÇÃO: Se os cães não forem devolvidos ao lugar de origem, outros animais férteis tomarão o local em busca de água, abrigo, comida. Enquanto os recursos forem suficientes, a população sempre crescerá. O princípio é: capacidade de carga (número máximo de membros de uma espécie em particular uma área pode conter). Por isso é melhor devolver os cães castrados do que permitir que novos cães se procriem nesta área.

2- Abate ou recolher os animais em asilos aparenta resolver o problema. Mas apenas provisoriamente! É uma medida inútil para reduzir a longo prazo a população de animais desabrigados.

3- Adoção de animais no estrangeiro não ajuda a resolver o problema no país de origem, pois novos cães nascerão e continuarão vivendo nas ruas.

4- Criação de organizações de bem-estar dos animais, além de proteção aos seus direitos funciona! Foi assim que a Holanda começou aos poucos a mudar a mentalidade da população.

5- Quando o bem-estar dos animais está em questão, os holandeses sugerem que as demais populações façam o mesmo que eles: prestem atenção, mostrem preocupação e exijam que o governo melhore a situação.

6- O governo do país deve assumir o custo de esterilização e organizar campanhas para castrar os animais de rua, e assim os proprietários de cães de estimação podem esterilizá-los gratuitamente, caso queiram.

Resumindo:

A combinação certa entre CNVR, cooperação internacional e governamental, compromisso das organizações pelo bem-estar animal e educação da população desde o berço contribuirão para diminuir o número de cães de rua da população muitos países.

Parece impossível? A Holanda mostrou que não é!


Assista ao vídeo que resume este artigo! =) 


Fontes:

  • http://straydogscampaign.com
  • http://www.deathrowpets.net

Gostou deste artigo? Compartilhe clicando nos botões abaixo!

Artigo Anterior
Próximo Artigo
Compartilhe nas redes sociais!

Você também pode gostar

Nenhum Comentário

Deixe um Comentário