Geral

Como proteger seu pet do frio – Confira Dicas Importantes!

27 de julho de 2017
proteger seu pet do frio

O frio dói sim, e só concorda com essa afirmação quem já passou muito frio e não tinha como se aquecer. O frio traz junto muitas doenças e pode até matar. Não somos apenas nós humanos que sofremos com o frio no inverno, mas os nossos pets também sofrem em dias gelados. Muitos animais que não têm um lar adoecem e morrem durante o inverno, principalmente nas regiões mais frias do país. Não deixe que o seu pet entre para essa estatística por causa de um descuido seu. Confira neste artigo dicas importantes sobre como proteger seu pet do frio!


| Dicas para proteger seu pet do frio |

A exposição ao frio é altamente prejudicial aos animais de estimação, principalmente aos de pelo curto. Poucas espécies sofrem transformações físicas para o período de outono e inverno, a fim de se adaptares às baixas temperaturas. Entre os cães, podemos destacar as raças São Bernardo, Akita, Husky Siberiano e Bernesse, que conseguem resistir mais ao frio, pois têm uma maior camada de gordura sob a pele e subpelo mais denso.  Gatos com pelo longo, como o Persa, Angorá e Siberiano, também não sofrem tanto quanto os que têm pelo curto. Mas atenção: eles não sofrem TANTO, porém ainda assim cuidados devem ser tomados para proteger seu pet do frio e permitir que eles passem o inverno de forma confortável, segura e gostosa.

|Protegendo Cachorros e Gatos do Frio|

 Mantenha o seu pet aquecido.

O tempo frio pode causar coceira e pele escamosa – por isso, quanto mais aquecido estiver seu pet, menos desconforto sentirá. Mantenha a cama quentinha e acolhedora do seu pet – ou como no meu caso, sua própria cama – longe de janelas e portas. Isso é essencial para proteger seu pet do frio.

♣ Traga o seu pet para dentro de casa.

proteger seu pet do frio

É como diz a famosa frase que todo mundo já escutou: “Se está frio para você, está frio para o seu pet!”. Não deixe o seu animalzinho fora de casa, no quintal. É muita crueldade e desumano, pois ele também merece estar onde está quentinho. A primeira regra para proteger seu pet do frio é essa!

Se você não tem o costume de deixar o seu cachorro entrar em casa, providencie ao menos um cômodo, como a lavanderia, para que ele passe a noite sem ficar em contato com o tempo gelado.

Se ainda assim ele for muito sapeca e não puder ficar na lavanderia a noite, então ao menos providencie uma casinha quente (madeira, plástico ou papel reciclado), de preferência protegida da corrente de vento e da chuva, e com muitas mantas para que ele possa se aquecer.

A Associação Médica Veterinária Americana (AVMA) explica: O chão da casinha deve ficar longe do solo (colocando um papelão ou estrado entre a casinha e o chão para minimizar a perda de calor no chão) e a cama deve ser grossa e seca para proporcionar um ambiente quente e seco. Aquecedores de espaço e lâmpadas de calor devem ser evitados devido ao risco de queimaduras ou incêndios.

♣ Não deixe o seu pet dentro do carro.

Você sabia que deixar seu animal de estimação no carro – mesmo por alguns minutos, quando está frio lá fora – pode ser super prejudicial para ele? Os carros frios se tornam como frigoríficos e podem rapidamente esfriar seu pet. Portanto, se você precisar sair na rua em um dia gelado, lembre-se de proteger seu pet do frio e deixe seu cachorro ou gato em casa.

♣ Compre uma roupinha para ele.

proteger seu pet do frio

Se o seu animal de estimação é pequeno, tem pelo curto, pernas curtas, é idoso ou tem alguma doença como a diabetes, você definitivamente deve providenciar uma roupinha quente para proteger seu pet do frio. Se seu cachorro tiver pelo longo, não o tose, mas deixe-o com o pelo normal, pois será um casaco natural para ele. Atualmente, há roupinhas para cães e até para gatos que são muito confortáveis e quentinhas.

ATENÇÃO: Nem sempre aquelas roupinhas mais bonitas são as melhores. Os movimentos dos bichos têm de ser preservados. Por outro lado, alguns tecidos podem causar nós nas raças mais peludas. Verifique qual é a melhor opção para a raça do seu cachorro ou gato. Há casos de animais que não se adaptam às roupas de lã ou de tecidos sintéticos, desenvolvendo coceiras ou manchas vermelhas pelo corpo. Nestas situações, o ideal é que o proprietário troque a roupa por uma de algodão ou soft, que causam menos irritação.

♣ Compre botinhas especiais para ele.

Essa dica serviria mais para cachorros que moram nas regiões mais geladas do país, com risco de geada, pois os gatos não são tolerantes a sapatos nas suas patas. Alguns cachorros deixam que seus donos coloquem meias especiais ou sapatinhos para evitar que pisem no chão gelado. Quando as patas do cão são expostas ao chão gelado, ou até à neve, correm o risco de quebrar, secar e congelar. Assim como as roupinhas, existem tantas marcas diferentes, cores, tamanhos e estilos de botinhas para cães que você encontrará facilmente o par perfeito.

♣ Menos banhos e mais pelos.

A rotina de banhos e tosas também merece algumas modificações quando as temperaturas estão mais baixas. Tente aumentar o intervalo entre um banho e outro: se antes era semanal, tente fazer quinzenalmente.

Escolha os locais protegidos de corrente de vento e os dias e horários mais quentes para dar o banho (das 11 h as 15 h). Use sempre água morna – nada de banho de mangueira! Seque bem o seu pet com secadores e não o tose, deixando-o com a pelagem mais comprida.

Também é importante ter cuidados com o choque de temperaturas. Seja no banho em casa ou no pet shop, mantenha o animal em um lugar protegido durante pelo menos 20 minutos depois da seção de secador. Isso evita que o organismo do animal fique vulnerável a doenças respiratórias.

Se o seu pet não estiver tão sujo, opte pelo banho seco (com gel ou lenço umedecido) para prolongar a duração do banho.


Leia também: Socorro, preciso dar banho no meu pet!


♣ Inspecione seus fornos e aquecedores.

Além de proteger seu pet do frio, é necessário verificar se ele está seguro em casa! Fique de olho em lareiras, aquecedores, fornos e qualquer outra superfície quente que seu cão ou gato pode se aconchegar para receber calor. Alguns gatos sobem no fogão quando alguém está cozinhando. Seu pet pode ser queimado se estiver muito perto, eletrocutado se morder o fio ou até começar um incêndio se derrubar uma vela no chão, colocando toda a sua família e casa em perigo.

♣ Monitorar a ingestão de alimentos.

Os cachorros e gatos que ficam dentro de casa são como pessoas e ursos durante o inverno: eles hibernam, exercitam menos e contam os dias até a primavera. E, uma vez que dormem mais e exercitam menos, queimam menos calorias.

Se você não quer que eles ganhem peso, então reduza a oferta de petiscos nesta época do ano. Outra opção é falar com o veterinário para ver se ele indica uma ração light, mesmo que seja misturada à ração comum.

Enquanto os cães e gatos que ficam dentro de casa precisam de menos comida no inverno, cães que ficam ao ar livre precisam de mais calorias, porque é preciso mais energia para se aquecer quando está frio. Alimente mais o seu animal que fica fora de casa (cerca de 20% a mais) e mantenha a sua tigela de água cheia. Isso pode ajudar a fornecer calorias necessárias e mantê-lo bem hidratado ao longo do inverno.

♣ Cuidado com a hipotermia.

Quando há frio, os cachorros e gatos são mais suscetíveis à hipotermia, que é uma condição que ameaça a vida resultante da exposição prolongada ao frio. Se o seu animal estiver mostrando sinais de tremores, respiração superficial, pulso fraco ou letargia, ele pode estar sofrendo de hipotermia.

Se você suspeita que seu pet possui essa doença relacionadas à temperatura, leve-o imediatamente para um lugar quente e seco e entre em contato com seu veterinário.



♣ Limite seus passeios.

proteger seu pet do frio

Por pior que pareça diminuir os passeios, entenda que seu cachorro vai até agradecer por não ter que gelar as patinhas na rua. Quanto menos ele estiver ao ar livre, menor será o risco de hipotermia.

Ao passear com os cães em dias frios, opte por horários mais quentes, principalmente pela manhã. Durante a noite, a sensação pode ser pior para os animais. E se o sol sair, não pense duas vezes e leve seu cão para um passeio, só que em horários seguros: antes das 10h ou após as 16h!

♣ Mantenha as vacinas em dia. 

Em qualquer período do ano é importante que seus pets estejam com as vacinas em dia. Mas no inverno, isso é ainda mais crítico. Não somente os filhotes que devem ser vacinados. Eles podem adquirir doenças que lembram a gripe dos humanos por alguns sintomas semelhantes, como a tosse canis (em cães) e a rinotraqueite (gripe dos gatos), que podem ser graves.

♣ Cuidado com a baixa umidade. 

Em algumas regiões do país, no inverno quase não há presença de chuvas. Quando não chove, os cães e gatos apresentam sintomas parecidos com os dos humanos, como coceiras nos olhos, boca seca, dificuldade para respirar e desidratação. Nesta época, os hospitais veterinários tem uma alta considerável no atendimento a animais com problemas respiratórios, principalmente filhotes, animais idosos e que já convivem com doenças respiratórias. Alguns animais com focinho curto, como o Shi-Tzu, o Pug e os Bulldogs, já têm dificuldade para respirar e acabam tendo o problema agravado. Muitos animais necessitam até de inalação para amenizar os efeitos do ar seco.

Além de proteger seu pet do frio, é necessário cuidar do tempo seco. É aconselhável que você coloque tolha úmidas, baldes e bacias com água, para umedecer o ambiente nos dias mais secos. Os aquecedores ressecam ainda mais o ambiente, por isso, tente evita-los.

♣ Cuidados especiais com filhotes.

Os filhotes recém-nascidos e com até dois meses de idade ainda não têm uma capacidade eficiente de manter a temperatura corpórea e perdem calor facilmente. Por isso, dependem de abrigo e da energia fornecida pela alimentação, que deve ser oferecida até quatro vezes ao dia.

No frio, a necessidade de energia aumenta e os animais que não recebem condições adequadas de alimentação e aquecimento, podem acabar morrendo. Atitudes como manter a ninhada em local protegido, confinar em ambientes pequenos e aquecidos, forrar com panos embaixo e dentro da casinha ou caminha onde os pequeninos dormem, é uma atitude simples que mantém o aquecimento.

♣ Cuidados especiais com animais idosos.

Cães com idade avançada ou que sofrem com problemas osteoarticulares – artrose, calcificações na coluna e hérnia de disco – tendem a sentir mais dor nos dias frios. Além disso, eles sentem mais frio porque a pelagem não é mais eficiente, a camada de gordura não é tão espessa e os músculos ficam atrofiados, o que diminui o metabolismo. Por isso, eles devem ser agasalhados. Segundo os veterinários, é importante mantê-los aquecidos e as roupas podem ser grandes aliadas. Se o animal apresentar sintomas aparentes de dor, dificuldade de locomoção ou de se levantar pela manhã, agressividade e sensibilidade ao toque, o ideal é procurar um especialista para checar as possibilidades de medicação analgésica.

♣ Seja um defensor dos animais.

Não basta proteger seu pet do frio se muitos outros na rua estão sofrendo com o inverno! Se você observar um animal de estimação no frio e você conhecer o dono, educadamente avise-o e o deixe saber que está preocupado e veja se você pode ajudar. Se o proprietário não responder bem ou não tirá-lo do frio, documente o que vê com detalhes como data, hora, localização e tipo de animal e grave um vídeo ou tire fotos para ajudar a reforçar o seu caso. Com suas descobertas, você pode denunciar a crueldade ou negligência dos animais, indo à delegacia de polícia mais próxima para lavrar o Boletim de Ocorrência (BO), ou comparecendo à Promotoria de Justiça do Meio Ambiente. É possível denunciar também ao órgão público competente de seu município, para o setor que responde aos trabalhos de vigilância sanitária, zoonoses ou meio ambiente. Lembrando que cada município tem legislação diferente, portanto caso esta não contemple o tema maus tratos pode utilizar a Lei Estadual ou ainda recorrer a Lei Federal.

IMPORTANTE: Se o animal não tiver dono, e você tiver condições, providencie um lar temporário para tirá-lo do frio, até que consiga um lar definitivo para ele.

Vamos tentar proteger aqueles que não têm um lar para fugirem do frio.


Confira um resuminho das principais dicas sobre como proteger seu pet do frio na imagem abaixo!

proteger seu pet do frio

Fonte: https://pataspraquetequero.wordpress.com


| Como posso saber se o meu Gato está com Frio? |

proteger seu pet do frio

Os cuidados com os felinos são parecidos com os dos cães. Uma dica para saber se o gato está com frio ou não é sentir as extremidades como as patinhas e pontas das orelhas. Se estiverem gelados é porque ele está com frio.

Muitos gatos ficam encolhidos, com pelos arrepiados e mais próximos de seus donos e companheiros felinos. Entram debaixo de cobertas, se escondem em armários, ficam debaixo e atrás de geladeiras e procuram passar mais tempo expostos ao sol, fazendo de tudo para se aquecer, especialmente os gatos de raças peladas. Lembre-se de estimular os banhos de sol nos dias mais frios.


Leia também: Por quê meu gato deve ficar dentro de casa?


 

Gostou deste artigo? Então lembre-se de compartilhá-lo clicando nos links abaixo!


Fontes:

Artigo Anterior
Próximo Artigo
Compartilhe nas redes sociais!

Você também pode gostar

Nenhum Comentário

Deixe um Comentário